Hospital Alcides Carneiro bate recorde em realização de ressonâncias magnéticas em agosto

O Hospital Alcides Carneiro bateu mais um recorde no mês de agosto: 836 ressonâncias magnéticas foram realizadas pelo Centro de Imagem da unidade no período de 30 dias. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (09), pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde e Serviço Social Autônomo do Hospital Alcides Carneiro, como resultado da ampliação dos horários de realização dos procedimentos, entre outras medidas implantadas no local.

A meta do plano operativo anual do Hospital é de 495 exames por mês, mas desde julho, com as ações implementadas, o número de exames já ultrapassava 700 ressonâncias. O prefeito Rubens Bomtempo destacou a importância da ampliação do horário para o alto desempenho. “Com o intuito de reduzir o tempo de espera dos pacientes, implementamos mais dois turnos de exames, um à noite e outro na madrugada, além de outros dois no domingo, um pela manhã e outro à tarde, dobrando o número de ressonâncias”, explicou o prefeito Rubens Bomtempo.

“Estes exames são extremamente importantes para estabelecer vários diagnósticos e possibilitam uma melhor análise de diversas doenças. À medida que ofertamos mais laudos, proporcionamos mais conforto à população, acelerando também os tratamentos”, destacou o secretário de Saúde, Marcus Curvelo.

O diretor-presidente do Sehac, Ricardo Patuléa, destacou a redução da fila de espera e a expectativa com a produtividade. “Quando chegamos ao Hospital Alcides Carneiro, em dezembro, encontramos uma fila de mais de 5 mil pacientes, vários esperando por ressonâncias há dois anos, mas com muita determinação e planejamento, conseguimos atender mais de 3 mil pacientes só este ano. Neste ritmo, esperamos diluir o restante da fila já nos próximos meses”.

As imagens obtidas nas ressonâncias magnéticas permitem que sejam estudados quadros de doenças neurológicas, ortopédicas, abdominais, cervicais e cardíacas, além de também serem indicados para a detecção de tumores, coágulos, traumas e doenças degenerativas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *